Sobre o 1° de maio e a presença de FHC

Recebemos essa mensagem dos companheiros João B. Gomes (Joãozinho) e Marize Carvalho, ambos da Executiva Nacional da CUT sobre a presença do ex presidente golpista FHC no ato unificado do 1° de maio.


“Companheiros e companheiras,

Na véspera do 1o de Maio unificado promovido por centrais sindicais, a Executiva nacional da CUT voltou a reunir-se virtualmente para decidir o que fazer diante da confirmação ou não do envio de vídeos de falas de inimigos da classe trabalhadora para o ato.

Faz parte da democracia sindical a prestação de contas do mandato que recebemos no 13o CONCUT, é o que estamos fazendo neste texto.

A reunião foi informada que nem Maia, nem Alcolumbre e nem Tóffoli tinham enviado suas falas até o horário fixado, mas que FHC o fizera (além de Marina, Ciro e outros “convidados”).

Coerentes com nossa posição de que inimigos da classe trabalhadora não devem ter lugar no Ato de 1o de Maio, propusemos que a CUT fosse contra incluir o vídeo de FHC no “palanque virtual”. Se não foi a nossa central que o convidou, como foi dito na reunião, os que o fizeram não poderiam impor a presença do ex-presidente privatizador e flexibilizador de direitos sem o nosso acordo, argumentamos.

A grande maioria dos membros da Executiva presentes demonstraram inconformidade e oposição à presença de FHC no Ato de 1o de Maio, alguns poucos tentaram justificá-la em nome de um “frentão” contra Bolsonaro ou que “ficaria mal” vetar convidados. A reunião esteve a ponto de adotar uma nota que condenava a presença de FHC, mas numa discussão de encaminhamento apareceu a proposta de não tirar nota e fazer a discussão sobre essa presença incômoda no balanço posterior ao 1o de Maio.

Mantivemos a posição de adotar a nota, dirigida à base cutista, proposta feita no debate inclusive por dirigentes da força majoritária (ArtSind), mas acabamos ficando em minoria, ao lado de companheir(a)os de outras forças (a CSD se absteve). Assim, a maioria esmagadora da Executiva se declarou contrária à presença de inimigos de classe no 1o de Maio, mas a nota que poderia expressar essa posição junto à base cutista não foi adotada!

Card do Diálogo e Ação Petista
Card do Diálogo e Ação Petista

De nossa parte reafirmamos que neste 1o de Maio, que ocorre num momento difícil para classe trabalhadora, temos que enfrentar de peito aberto os nossos exploradores e seus representantes políticos, pois, como dizia a resolução aprovada por essa mesma Executiva em 27 de abril: “Para a CUT, essa pauta da classe trabalhadora dá conteúdo à luta pela democracia e pelo fim do governo Bolsonaro, como decidido em nosso 13º CONCUT, que hoje se traduz no Fora Bolsonaro!”.

Chamamos todos e todas cutistas a manifestar o seu repúdio à presença de FHC no 1º de Maio e por todos os meios virtuais possíveis “vaiá-lo”: Fora FHC do 1o de Maio!

30 de abril de 2020

João Batista Gomes (Joãozinho)

Marize Carvalho

Viva o 1º de Maio, Dia Internacional de Luta da Classe Trabalhadora!”

Artigo anteriorJaques Wagner propõe no Senado projeto para reestatização da Embraer
Próximo artigoEdição n° 0 do Jornal O Trabalho – 1° de maio de 1978