Trabalhadores da limpeza urbana em Florianópolis em assembleia decidem Estado de Greve

Com informações do Sintrasem

Os trabalhadores da Comcap, empresa pública de limpeza urbana de Florianopolis, aprovaram agora há pouco, por unanimidade, a entrada em estado de greve contra os ataques do prefeito Gean e do presidente Bolsonaro, que vão desde o corte de direitos constitucionais ao congelamento de salário no serviço público.

A assembleia desta sexta-feira (29) foi a primeira da história do Sintrasem (Sindicato dos municipais de Florianópolis) com distanciamento social, respeitando as normas sanitárias. Todos os participantes tiveram a temperatura medida e o uso de máscaras foi obrigatório.

Durante as falas, a categoria expôs sua indignação com a Resolução 05, da PMF, que retira inúmeros direitos no serviço público (incluindo na Comcap); e com o PL 39, que congela salários até o fim de 2021.

COMCAP 2
Também foram levantados problemas nas condições de trabalho, como o fornecimento de EPIs e o transporte dos trabalhadores. A categoria também exige a manuntenção dos contratos dos temporários e pede o cumprimento do Programa de Incentivo à Aposentadoria (PIA) na Comcap.

Para o Sintrasem  “Nossa decisão mostra a Gean Loureiro que a categoria sabe se organizar mesmo em momentos de dificuldade extrema. Se os governos se aproveitam da pandemia para nos atacar, nós seguiremos na luta em defesa de nossos direitos e do serviço público! Os trabalhadores da Comcap aprovaram agora há pouco, por unanimidade, a entrada em estado de greve contra os ataques dos governos Gean e Bolsonaro, que vão desde o corte de direitos constitucionais ao congelamento de salário no serviço público.”

Médicos e enfermeiros da categoria ajudam na medição de temperatura dos trabalhadores
Médicos e enfermeiros da categoria ajudam na medição de temperatura dos trabalhadores
Artigo anteriorRepórter negro da CNN é preso enquanto estava “no ar” em protesto por assassinato de George Floyd
Próximo artigoTrabalhadores dos correios: “fora general Peixoto, Bolsonaro e sua política genocida”