SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Beto Richa incentiva violência contra secundaristas no Paraná; ocupações resistem

30 de outubro de 2016
ocupa-pr

Mais de 850 escolas estaduais paranaenses estão ocupadas pelos secundaristas, num protesto vigoroso contra a MP 746 (que estrangula o ensino médio) e a PEC 241 (que congela os gastos públicos por 20 anos), luta que se expressa no “Fora Temer! ”, que tomou conta de todas as manifestações.

Depois de quase um mês, o movimento mostra, além da disposição de luta dos estudantes, um forte sentimento de união, combinado quase sempre com a solidariedade dos pais e da comunidade.

Incapaz de resolver a situação, sem qualquer legitimidade política para negociar com os estudantes, o governador Beto Richa (PSDB) optou pelo ru secundaristas não sabiam o que queriam (como se fosse possível manter um movimento de ocupação dessa dimensão sem compreensão dos objetivos), Richa passou a estimular a ação de grupos radicais de direita, como o MBL, contra os estudantes.

No Colégio Estadual do Paraná, o mais tradicional do estado, o MBL tentou entrar, provocar tumulto e inclusive molestar sexualmente uma aluna. Foram corridos pelos estudantes.

A partir do dia 24, o MBL começou a entrar nas escolas, quebrando as grades e praticando violências contra os estudantes. No mesmo dia, um garoto de 16 anos foi encontrado morto em uma das escolas ocupadas de Curitiba. O fato, certamente sem nenhuma ligação com a ocupação, passou a ser explorado de forma sensacionalista pelo governo, para amedrontar os pais.

Resistência

Em Araucária, região metropolitana de Curitiba, 10 das 17 escolas estaduais estão ocupadas. Lá também há intimidação e tentativas de pôr fim ao movimento, mas os estudantes resistem. Por iniciativa da Juventude Revolução, formou-se um comando unificado das ocupações.

A., do colégio Fazenda Velha, na periferia da cidade, conta que os pais participam das oficinas e ajudam fazendo as refeições. A comunidade é solidária: “Passamos de casa em casa e voltamos com duas caixas cheias de alimentos e produtos de limpeza”.

No colégio Cleide Lemin Lopes, os alunos promoveram uma assembleia com os pais e professores, para explicar os motivos da ocupação.

No momento de fechamento desta edição, quarta-feira, estava marcada uma assembleia para decidir os rumos das ocupações. Contra a pressão do governo e também contra a política da UJS, braço do PCdoB, que joga contra as ocupações, os estudantes prometem resistir. Para A., a única saída é continuar a luta.

C., do colégio Professora Algavira Bittencourt Pinto, concorda: “Vai ser uma luta dura e longa até alcançarmos nosso objetivo, mas estamos dispostos a resistir e manter a ocupação”.

Artigo originalmente publicado na edição nº 797 do jornal O TRABALHO de 27 de outubro de 2016.



Outras publicações

16 de julho de 2017

Novos ataques à educação No último dia 6, Michel Temer e seu comparsa, Mendonça Filho (DEM), Ministro da Educação, anunciaram Medida Provisória do “Novo FIES” (Fundo de Investimento Estudantil), com novas restrições para os contratos de 2018. Cortes no MEC atingem em cheio as universidades federais que não têm dinheiro para funcionamento, principalmente Assistência Estudantil. […]


6 de julho de 2017

Defesa da educação pública e dos estudantes das privadas integram decisões. O 55º congresso da UNE (CONUNE) ocorreu de 14 a 18 de junho, marca uma nova etapa da luta do movimento estudantil, pois adotou resoluções que permitem o necessário enfrentamento do governo golpista e sua política de retirada de direitos e de investimentos da […]


21 de junho de 2017

Segundo Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA), negro e jovem sem estudo são as maiores vítimas A taxa de homicídios entre jovens cresceu 17 %, o que significa que a cada 100 mil jovens 60 são assassinados. O problema se torna mais grave em relação à juventude negra, onde a taxa sobe para 23 %, […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -