Coreia: greve contra flexibilização da jornada

±¹È¸ ¾Õ¿¡¼­ ¿­¸° ¹ÎÁÖ³ëÃÑ ÃÑÆľ÷ ´ëȸ (¼­¿ï=¿¬ÇÕ´º½º) È«ÇØÀÎ ±âÀÚ = ¹ÎÁÖ³ëÃÑ Á¶ÇÕ¿øµéÀÌ 18ÀÏ ¿ÀÈÄ ¼­¿ï ¿©Àǵµ ±¹È¸ ¾Õ¿¡¼­ ÃÑÆľ÷ ´ëȸ¸¦ ¿­°í ÀÖ´Ù. ¹ÎÁÖ³ëÃÑÀº À̳¯ ³ëµ¿ °³¾Ç ÀúÁö, ³ëµ¿±âº»±Ç ÀïÃë, ºñÁ¤±ÔÁ÷ öÆó, Àç¹ú °³Çõ, ÃÖÀúÀÓ±Ý 1¸¸¿ø Æó±â ±Ôź, ³ëµ¿ ź¾Ð ºÐ¼â µî 6°³ ±¸È£¸¦ ³»°É°í ÃÑÆľ÷À» ÇÑ´Ù. 2019.7.18 hihong@yna.co.kr/2019-07-18 14:22:39/

Em 18 de julho, respondendo ao chamado da Confederação dos sindicatos coreanos (KCTU), milhares de trabalhadores entraram em greve e protestaram em frente à Assembleia Nacional contra o projeto de lei que estabelece a flexibilidade da jornada de trabalho.

Essa manifestação foi noticiada por vários jornais coreanos em 19 de julho. Segundo o jornal Hankyorej:

“A Confederação Coreana de Sindi­catos (KCTU) organizou uma mani­festação diante da Assembleia nacional em 18 de julho para anunciar uma greve geral de protesto contra o que ela considera como uma abordagem pouco rigorosa da atual administração no campo das reformas trabalhistas e da defesa dos direitos dos trabalhadores. Uma das principais reclamações da KCTU é a extensão do número de horas de trabalho no sistema de horas de trabalho flexíveis (…).

A KCTU também protestou contra o recente aumento de 2,87% do salário mínimo, que ela considera muito pe­queno e uma violação da promessa do presidente, Moon Jae-in, de elevar este salário a 10 mil wons por hora (US$ 8,52) até o final do seu mandato.”
O Korea Joongang Daily informa que, segundo a agência Yonhap, o ministro do Emprego e Trabalho observou que houve greve em cinquenta locais dife­rentes, principalmente nas empresas Hyundai Heavy Industries e Daewoo Shipbuilding & Marine Engineering. O Korea Herald avalia em 50 mil manifes­tantes diante da Assembleia Nacional.