Estudantes da Moradia da USP estão em risco

Centenas de estudantes da maior moradia estudantil do Brasil, o CRUSP (Conjunto Residencial da USP),  no campus Butantã da USP estão vivendo em condições precárias de higiene e sem condições para prosseguir seus estudos.

A USP notificou o primeiro caso de coronavírus em 11/3, um estudante do campus Butantã. Estudantes relatam que um dos prédios da moradia ficou vários dias sem água. Há relatos de apartamentos com pias quebradas, dificultando a higiene para prevenção à doença. Não há sequer máquinas de lavar roupas suficientes para atender os moradores.

Mesmo com o primeiro caso notificado a reitoria da USP resistiu em suspender as aulas em toda universidade, o que só ocorreu em 17/3 e transferiu, açodadamente, as aulas presenciais para a modalidade à distância. Porém, a administração da universidade se esqueceu que centenas de estudantes que vivem no CRUSP não tem acesso a internet na moradia, há vários anos eles cobram a  instalação. Com os departamentos e institutos fechados esses estudantes não tem como acessar a internet para ver as aulas à distância.

A SAS (Superintendência de Assistência Social da USP), responsável pelo atendimento dos estudantes do CRUSP, reconheceu o problema em um comunicado em 23/3 e propõe aos estudantes que se aglomerem nas salas de estudos para assistirem às aulas virtuais. É notório na moradia que essas salas não comportam atender todos os estudantes, falta espaço e equipamentos para todos!

No comunicado a SAS fala em “isolamento social” mas a administração da universidade não parece preocupada em dar condições aos moradores do CRUSP de realizá-lo. No dia 28/3 a SAS enviou outro comunicado aos moradores do CRUSP aonde informa o falecimento de um estudante de Química por coronavírus. Informa a entrega de parte dos materiais de limpeza aos moradores, mas prosseguem os problemas. No dia seguinte, o DCE da USP publicou uma “Nota de Repúdio à Reitoria” subscrita por mais de 30 Centros Acadêmicos e Associação de Moradores aonde afirma “Precisamos urgentemente garantir que os alunos que moram no CRUSP possam se isolar dessa contaminação de forma adequada e segura. Culpabilizamos a Reitoria por esse cenário de descaso com o complexo residencial e reconhecemos que é dever da mesma responder e corrigir esses malfeitos.”

Correspondente