SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -
CORRENTE O TRABALHO DO PT

Haiti: 13 anos depois a Minustah deixa o país – Entrevista com David Oxygene

20 de setembro de 2017

photo-david-oxygene

Por ocasião da retirada das tro­pas da Minustah, entrevistamos David Oxygène, membro do Movi­mento de Liberdade, Igualdade dos Haitianos pela Fraternidade (Mole­ghaf) e da Coordenação Haitiana pela retirada das tropas da ONU.

David é um dos aderentes, no Hai­ti, da preparação da 9º Conferência Mundial Aberta (Argel, de 8 a 10 dezembro), convocada pelo Acordo Internacional dos Trabalhadores (AcIT). Várias jornadas de luta em defesa da soberania do Haiti, pela retirada das tropas da ONU, foram organizadas numa campanha inter­nacional levada pelo AcIT. Campa­nha que teve seu impulso a partir da iniciativa iniciada no Brasil, com o concurso da Corrente O Trabalho do PT, que desde 2004 (início da ocupação), dirigiu-se ao governo brasileiro, então governo Lula, contra a ocupação, comandada por tropas brasileiras. Entrevista feita por Edi­son Cardoni.

O Trabalho – Que balanço você faz desses 13 anos de ocupação da Minustah, agora que a ONU decidiu retirar suas tropas?

David Oxygène – Durante esses 13 anos a Minustah foi mais e mais objeto de crítica e de luta de numero­sos setores progressistas do país, em particular da Coordenação Haitiana Pela Retirada das Tropas da ONU, que agrupa várias organizações populares, políticas e sindicais. A Minustah fracassou naquilo que era a missão designada pela resolução 1542, de 2004, que seria garantir a paz, estabelecer o estado de direito, a segurança da população, etc.

Pelo contrário, foram 13 anos de flagrante violação dos direitos humanos, ameaças à segurança e ao progresso social, instabilidade e injustiça para o Haiti.

OT – Você pode nos dar exemplos dessas violações?

DO – Somente nos dois primeiros anos da ocupação (2004-2006), um total de 95 pessoas foram mortas por soldados da ONU. Os estupros e outros crimes sexuais acompanha­ram a Minustah desde o início. Já em 19 de fevereiro de 2005, Nadège Nicolas, uma jovem de cerca de vinte anos, foi violada por três soldados paquistaneses.

A liberdade de expressão, de reu­nião e manifestação também foi pisoteada por soldados da ONU com casos de batidas, vandalismos e brutalidades cometidas em instala­ções e sedes de organizações sociais e populares, como TET KOLE ou ANTEN OUVRIYE.

No bairro popular de Forte Nacio­nal, onde a população sempre foi muito mobilizada contra a ocupa­ção, em outubro de 2005, 13 jovens militantes próximos da organização política Fanmi Lavalas foram mas­sacrados por soldados da ONU, em colaboração com a Polícia Nacional do Haiti (PNH).

No mesmo bairro, dois outros jo­vens militantes, estes do Moleghaf, ambos muito comprometidos na luta contra as forças de ocupação, também foram assassinados: Davi­dtchen Simeon em agosto de 2016 e Dangelo Romario Saint Jean em abril de 2017. Uma campanha internacio­nal exige punição dos responsáveis.

OT – E quanto às vítimas do cólera, a ONU aceitou indenizar?

DO – Em julho de 2011, um grupo científico liderado por Renauld Piarroux publicou um relatório que concluiu que os soldados nepaleses da Minustah introduziram o vibrião do cólera no Haiti no ano de 2010. De acordo com as autoridades de saúde, mais de um milhão de haitia­nos foram contaminados e mais de 10 mil pessoas morreram.

Em agosto de 2016, a ONU reco­nheceu “seu próprio envolvimento no foco inicial [do cólera] e o so­frimento dos afetados”. Mas ela se esconde por trás da imunidade diplo­mática para negar a indenização das vítimas. Recentemente um tribunal dos Estados Unidos sentenciou em favor da ONU.

OT – Como transcorreu a vida política e sindical do país nestes 13 anos?

DO – A atividade sindical não foi poupada pela Minustah, pelo con­trário, os sucessivos combates pelo aumento do salário mínimo foram severamente reprimidos pelos agen­tes da ONU na capital, Porto Prínci­pe, na comunidade de Caracol, no Parque Industrial (SONAPI), bem como nas zonas francas do país, as quais são o meio mais adequado que tem os patrões multinacionais para explorar os trabalhadores com um salário miserável que sequer atende às suas necessidades básicas.

Nos campos, os camponeses foram submetidos a numerosas extorsões da Minustah, cujos soldados rouba­ram bens e animais. E as Nações Uni­das usaram empresas multinacionais para saquear recursos minerais (ouro em particular) em todos os departa­mentos do país, principalmente no norte e no nordeste.

Durante os 13 anos da Minustah, quem controlou a política do país foi a embaixada estadunidense. Todas as eleições foram realizadas com uma baixa taxa de participação e repletas de numerosas fraudes denunciadas pelos principais partidos políticos e, às vezes, reconhecidas pelas autorida­des investidas nos poderes eleitorais. Com o apoio da força de ocupação da Minustah, as potências imperialis­tas decidiam quem deveria ser eleito.

OT – A Minustah se retirou. As Nações Unidas a substituíram pela Minujusth, Missão das Nações Para Ajuda à Justiça no Haiti. Como continuar a luta pela soberania do país?

DO – Está evidente que a presença dos capacetes azuis era um enorme obstáculo e um gigantesco dano à so­berania do povo haitiano e não tinha nenhum fundamento legal ou legíti­mo. Durante esses 13 anos, o povo haitiano nunca aceitou a presença da Minustah e lutou incessantemente pela recuperação da soberania do país. Esta luta levou o Senado, em maio de 2013, por proposta do então senador Moise Jean Charles, a adotar uma resolução que exigia a retirada da Minustah, cuja presença foi con­siderada ilegal porque a autorização para o desembarque no Haiti não respeitou a constituição do país.

Essa resolução do Senado foi apre­sentada à ONU, em outubro de 2013, por uma delegação internacional. Houve outras delegações do mesmo tipo, em 2012 e em julho de 2017, no quadro de uma permanente campanha internacional que exigia a retirada das tropas. Por exemplo, em dezembro de 2008, foi realizada a 3a. Conferência das Caraíbas, em Pétion Ville, organizada pela Associação dos Trabalhadores e Povos do Caribe (ATPC); uma Comissão Internacional de Inquérito sobre o Haiti foi instaurada a partir da Con­ferência de setembro de 2009, em Porto Príncipe. Houve ainda Confe­rências internacionais em novembro de 2011 e junho de 2013, sem contar as diferentes atividades organizadas pelos companheiros brasileiros do Comitê Defender Haiti é defender a nós mesmos, tudo com o apoio do Acordo Internacional dos Trabalha­dores.

A Minusjusth é uma outra forma de ingerência a serviço das mesmas po­tencias imperialistas. O combate vai continuar sem descanso por meio da Coordenação Haitiana pela retirada das tropas da ONU. O combate con­tra a ingerência estrangeira em nosso país, qualquer que seja sua forma, é permanente e até que o Haiti recu­pere seu direito a autodeterminação e à soberania.



Outras publicações

8 de fevereiro de 2018

Em 23 de janeiro a Assembleia Na­cional Constituinte (ANC) pediu ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE) a organização das eleições presidenciais até 30 de abril próximo (o mandato de Nicolás Maduro terminaria em 2019). Num cenário continental marcado pela pressão do imperialismo dos Estados Unidos para impor governos a seu serviço – fraude nas eleições em […]


17 de janeiro de 2018

Nem bem começou o ano de 2018 e uma série de artigos de opinião foi publicada em jornais de todo o mundo advogando uma in­tervenção militar de países vizinhos na Venezuela. A ideia não é nova, mas é relançada diante do fracasso da oposição inter­na do país em todas as suas tentativas de derrubar o […]


9 de novembro de 2017

Não há mais desculpa para não se atacar especulação e desabastecimento A resistência do povo trabalhador aos ataques do imperialismo e seus aliados foi o que permitiu as vitórias políticas da eleição e instalação da Assembleia Nacional Constituinte e, em 15 de outubro, o triunfo nas eleiçõespara governadores. Assim foi dada uma nova oportunidade ao […]


SITE DA CORRENTE O TRABALHO DO PT - TENDÊNCIA INTERNA DO PARTIDO DOS TRABALHADORES - SEÇÃO BRASILEIRA DA 4ª INTERNACIONAL -