França: depois das máscaras, as vacinas!

Decididamente, esse governo acumula mentira após mentira. Primeiro foram as máscaras. No início de março de 2020, dez dias antes do primeiro confinamento, Olivier Véran, Ministro da Saúde, afirmou que “O uso da máscara na população em geral não é recomendado e não é útil”. Antes de mudar radicalmente na hora do desconfinamento e finalmente recomendar o uso da máscara, impondo depois o seu uso definitivo em todos os lugares, inclusive ao ar livre. Estoque insuficiente de máscaras: 100 milhões.
Em seguida, os testes. Não era necessário testar durante o confinamento, depois eles foram generalizados.

E agora, as vacinas. Primeiro, o governo considera a vacinação com cautela. Depois, num giro de 180 graus, é anunciado um plano nacional de vacinação, começando com profissionais de saúde e idosos. Enquanto nas localidades a vacinação é organizada, ficamos sabendo que faltam vacinas. “Os prefeitos das doze cidades que receberam luz verde dos serviços do Estado para abrir centros de vacinação comunitários a partir da próxima segunda-feira têm 420 doses alocadas para esta primeira semana de vacinação do público em geral destinada aos maiores de 75 anos”, relata o jornal Le Parisien Hauts-de-Seine em 15 de janeiro. “Considerando as 12 cidades, isso representa 5.040 doses de vacina, muito longe das 30.000 semanais prometidas inicialmente”. Em Clichy, “a central de atendimento instalada para facilitar o agendamento de consultas foi invadida, antes que a cidade soubesse que receberia apenas 420 doses da vacina, três vezes menos do que o esperado”, continua o diário regional.

O senhor Vacina do governo, Alain Fischer, admite ao France Inter, no dia 12 de janeiro, que, “em todos os países, o problema é o mesmo: dispomos de um certo número de doses da vacina, que vai aumentar, mas não é infinito”.

Por que as doses de vacina seriam limitadas na França, enquanto ao mesmo tempo potências como a Grã-Bretanha ou Israel têm grandes quantidades? Porque a França comprou doses mais baratas enquanto os outros pagaram o preço.

Estas são as leis do capital. E esse governo de mentirosos é totalmente submisso ao capital. É este governo o responsável por esta situação, porque o seu objetivo não é proteger a população, mas proteger os interesses do capital.

Publicado no jornal francês Informations Ouvrières
Tradução Adaias Muniz

Artigo anteriorMoção de apoio do Acordo Internacional de Trabalhadores ao companheiro Renê Munaro
Próximo artigoFlorianópolis: trabalhadores da COMCAP resistem e greve continua