Manifestação no Campo Limpo, em São Paulo, defende hospital 100% público

Centenas de pessoas participaram nesta terça (14) de uma manifestação em defesa do hospital do Campo Limpo, na zona sul de SP, como 100% público.

Após a aprovação na Câmara Municipal de São Paulo do PL 749/2020, com os votos de 31 vereadores, que extinguia Autarquias e Fundações, imediatamente o Prefeito Bruno Covas da Cidade de São Paulo, anunciou a partir do dia 1º de agosto, a terceirização do Hospital, passando para a Organização Social (OS) Albert Einstein.

A manifestação foi organizada pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Paulo, pelo Fórum de Saúde do Campo Limpo, pelo Movimento Popular de Saúde do M`Boi Mirim e a Coligação Saúde Paulistana.

Ato campo limpo 2

O Ato contou com a participação expressiva dos trabalhadores da saúde do Hospital, teve ainda o apoio do Sindicato dos Médicos, Sindicato dos Enfermeiros, CONFETAM, Partido dos Trabalhadores (PT), PSOL, PC do B e vários movimentos sociais da região.

Militantes do Diálogo e Ação Petista do Campo Limpo carregaram faixas e cartazes e reforçaram a manifestação.

Também esteve presente o pré candidato a prefeito pelo PT, Jilmar Tatto, que fez uma fala direta sobre o problema “Vamos dar o papo reto. Não vai terceirizar e se terceirizar nós vamos reverter. Temos que fortalecer o SUS. Vamos mandar um recado ao Hospital Albert Einstein: Não ponha suas patas aqui. Se colocarem, nós vamos tirar”

O ato contou ainda com a presença de outras personalidades como o dirigente do MTST, Guilherme Boulos e diversos parlamentares como o vereadore Alfredinho, Juliana Cardoso,  Reis (PT) e Celso Gianazzi (PSOL) e outros dirigentes sindicais e militantes.

O Ato reuniu mais de duzentas pessoas, todos com máscaras e álcool em gel, saindo em passeata pela Estrada de Itapecerica da Serra, passando em frente Supervisão Técnica de Saúde do M`Boi Mirim, chegando até o Terminal de Ônibus João Dias.

Ao final o Presidente do SINDSEP, Sergio Antiqueira, fez um chamado à continuidade da luta: “Eles sucateiam, sucateiam e depois pegam dinheiro para melhorar e entregar para uma OS que é ligada a um hospital bilionário, que ganha direito atendendo os mais ricos, explorando seus trabalhadores e com dinheiro público. Por isso eu quero saldar todos e todas que estão aqui e defendem o Hospital do Campo Limpo, um patrimônio de quem mora aqui. Nós vamos lutar juntos na cidade inteira para não deixar este Hospital cair nas mãos de OSs.”

Carlitos Pires

 

Artigo anteriorServidores públicos de Volta Redonda fazem paralisação de 24 horas
Próximo artigoAto em Cáceres, em Mato Grosso, pede “Fora Bolsonaro”