Mianmmar: após três semanas de uma revolta popular, 18 manifestantes mortos a tiros pela polícia

Durante os eventos em 28 de fevereiro em Mianmar (Birmânia), contra o golpe de Estado de uma junta militar liderada pelo General Min Aung Hlaing, a polícia abriu fogo sobre os manifestantes, provocando a morte de dezoito deles, de acordo com o Escritório de Direitos Humanos Humanos da ONU. Em que situação?

Em 1º de fevereiro, uma junta militar tomou poder e prendeu o chefe do governo desde 2015, Aung San Suu Kyi, que também é o líder da Liga Nacional para a Democracia, que venceu as eleições legislativas de novembro passado.

A Confederação de Sindicatos de Mianmar (CTUM) lançou então uma campanha de desobediência (CDM) e uma greve geral para 22 de fevereiro. Após esta greve geral, manifestações contra o golpe de estado de 1º de fevereiro continuaram, sempre ainda maciças.

A AFP (26 de fevereiro) descreveu a revolta popular em curso nesses países nesses termos: “Em toda a Birmânia, os hospitais estão desertos, as administrações ficam ociosas e os trens permanecem em plataforma. Apesar do risco para suas vidas ou por seus salários, muitos funcionários públicos se recusam a trabalhar para a junta e se juntaram ao crescente movimento de desobediência civil que tem objetivo de enfraquecer os generais, paralisando o Estado (…).”

O setor privado também é afetado por paradas de trabalho em escritórios e em fábricas, e muitas agências os bancos não podem abrir. Mas é a crescente participação de fileiras de funcionários públicos dentro do protesto que tem abalado particularmente a junta. Sem eles, ela é incapaz de cobrar impostos, enviar contas de eletricidade ou organizar testes de Covid, simplesmente de fazer o país funcionar.

(…) É difícil saber quantos, dos um milhão de funcionários públicos da Birmânia, estão em greve (…). De acordo com uma pesquisa, seriam vinte e quatro departamentos, e o Relator Especial das Nações Unidas para a Birmânia estima que três quartos dos funcionários públicos pararam de trabalhar. A ausência deles está começando a prejudicar o regime. Quase um terço dos hospitais do país não estão mais funcionando, declarou esta semana o líder do golpe de Estado e líder da junta Min Aung Hlaing (…). De acordo com a mídia local, em todo o país, trabalhadores de escritório, dirigentes ou motoristas de caminhão foram dispensados por causa de sua participação no movimento (…).”

O China Labour Bulletin (de 27 de fevereiro) diz: “O regime militar em Mianmar declarou ilegal mais de uma dúzia de sindicatos no país e perseguiu ativamente os sindicalistas que estão na vanguarda do movimento de Desobediência Civil (CMD) desde o golpe de estado de 1º de fevereiro (…). Moe Sandar Myint, presidente da Federação de trabalhadores do vestuário em Mianmar (…) está agora escondido depois de dirigir mais de quatro mil trabalhadores de fábrica em um evento no dia 6 de fevereiro, o primeiro dia do CMD.”
“E, com razão, o China Labour Bulletin, porta-voz independente dos trabalhadores chineses, se solidariza com os sindicatos em Mianmar e todos os trabalhadores que buscam restaurar democracia no país. Nós nos juntamos a muitas outras organizações sindicais, incluindo a Organização Internacional do Trabalho, para apelar pelo fim imediato do assédio e da perseguição aos ativistas sindicalistas em Mianmar.”

Publicado no Jornal Informations Ouvrières

Tradução Breno Ferreira

Artigo anteriorBolsonaro manda abrir inquérito criminal contra dirigente sindical e associação de professores de Pernambuco
Próximo artigoMédicos de Osasco estão em estado de greve por salários atrasados