Para fazer valer a vitória das urnas

NÃO CONSEGUIRAM ATRAVÉS DO VOTO, MAS QUEREM IMPOR O PROGRAMA DERROTADO

Uma ameaça ronda o país.

Derrotado nas urnas, o PSDB, a serviço do imperialismo, quer impor seu programa contra a vitória de Dilma conquistada pela mobilização dos militantes petistas e setores organizados da maioria do povo trabalhador que luta por suas reivindicações e pelos interesses da nação.

Para impor ao governo a política rejeitada pelas urnas quando as condições para atropelar e anular o resultado eleitoral não estão reunidas, o alvo direto é o Partido dos Trabalhadores.

Os agentes dos interesses do capital financeiro não lograram voltar ao Palácio do Planalto,mas não dão trégua para submeter a nação à pilhagem imperialista e pressionam para impor a política de ajuste em detrimento dos interesses da maioria do povo.

A cada dia fica mais claro a que vem o ataque à Petrobras: tornar “inevitável a revisão do atual marco regulatório do pré-sal”, como disse um colunista do Estadão (18/11), para entregar a riqueza do Pré-sal às petrolíferas multinacionais.

“Para resolver os problemas do país é preciso tirar o PT do governo”, dizia Aécio antes de 26 de outubro. Não conseguiram através do voto, mas querem impor o programa derrotado. Os interesses opostos entre classes sociais opostas que se expressaram na votação do segundo turno confrontam-se na situação aberta em 27 de outubro.

É urgente e possível derrotar essa ofensiva contra a nação e o Partido dos Trabalhadores.

Em primeiro lugar, ouvindo o recado das urnas. A mobilização da base social que levou o PT ao governo desde 2002, uma vez mais, derrotou o candidato do PSDB. Mas o estreitamento da margem de votos da vitória revela uma frustração de parte da base social.

Por exemplo, as ruas pediram serviços públicos de qualidade. Isso exige encerrar a drenagem de recursos aos banqueiros com o superávit fiscal. Cada passo, por menor que seja, nessa direção, ganhará o apoio dos que reelegeram Dilma, como ocorreu com a necessária sanção à renegociação das dívidas dos Estados e Municípios. Uma medida limitada, mas que dará um respiro aos estados e municípios. Mas, uma direção contraditória com a elevação da taxa de juros logo após a reeleição.

Governar para a maioria do povo e pelos interesses da nação exige romper a tranca imposta pelas atuais e apodrecidas instituições.

A exigência que brotou das ruas em 2013 – “Constituinte pela Reforma Política” – é ainda mais urgente, mas os mal chamados aliados, como o PMDB, operam para enterrá-la no pântano do Congresso recém-eleito, o mais conservador desde 1964, movido pelo dinheiro das grandes empresas.

A Comissão Executiva Nacional do PT, em 3 de novembro adotou uma Resolução Política que sinaliza na boa direção. Por isso mesmo elevou a bateria de ataques da burguesia e seus órgão de imprensa contra o PT.

A Resolução Política do PT afirma a necessidade da “Reforma Política, precedida de um plebiscito através de uma Constituinte” e do atendimento de reivindicações.

Esse é o caminho que corresponde aos interesses cravados na reeleição e dará confiança à nossa base social para se mobilizar, impor nova derrota aos representantes do imperialismo e colher os frutos da vitória. A começar por fazer do ato proposto pela CEN-PT na posse de Dilma uma grande manifestação pela Constituinte.

O Encontro Nacional do Diálogo e Ação Petista, em 6 e 7 de dezembro com representantes de reuniões de base que ocorrem pelo país pretende ser uma ajuda nessa direção.

Artigo anteriorContribuição para discussão da nova situação depois da reeleição de Dilma
Próximo artigoMéxico: a barbárie de Iguala