Eleição no Amazonas: maioria disse não aos golpistas

Amazonas

No segundo turno da eleição ao governo do Amazonas, no dia 27 de agosto, venceu Amazonino Mendes (PDT), que era apoiado por golpistas como o Senador Omar Aziz (PSD) e o prefeito de Manaus Arthur Virgilio Neto (PSDB), com 59,26% dos votos válidos, contra 40,74% do seu adversário do PMDB, Eduardo Braga, apoiado pela Senadora Vanessa Grazziotin do PCdoB. Porém o dado relevante foi a quantidade de abstenções, votos brancos e nulos que somaram incríveis 50,68%, ou seja 1.184.092 de um total de 2.336.410 eleitores se recusaram a votar em dos dois candidatos.

Tão logo encerrada a apuração e ainda atônita com o “recado da urnas”, Vanessa Grazziotin publicou uma nota oficial na qual joga a responsabilidade do fortalecimento dos “setores mais conservadores do estado” a algumas lideranças do PT que decidiram não apoiar, nem um e nem outro candidato, pois os dois “não representam o projeto político do PT proposto para o estado”, como diz a resolução do PT.

Para a Senadora, portanto, o número expressivo de votos nulos, brancos e abstenções, que superou os dois candidatos não é fruto do apodrecimento das instituições, acelerado depois do golpe de 2016 que o seu candidato ajudou a concretizar, e tampouco a piora na situação de vida dos trabalhadores e jovens depois de um ano de Temer.

No rumo da reconstrução, o PT apresentou candidato próprio no primeiro turno obtendo um bom resultado, mas não o suficiente para seguir no segundo turno. Em reunião extraordinária, o Diretório Estadual adotou uma posição de não apoiar nenhuma das candidaturas ao segundo turno, apesar das pressões, dentro e fora do PT, para apoiar Braga (PMDB).

Agora, finda a eleição, e frente à montanha de abstenções, brancos e nulos, é hora de apontar Lula presidente com Constituinte, como indicou o 6º congresso do PT, como saída política para grave crise, que só vem piorando a vida do povo amazonense, causado pelo golpe de 2016 que deu origem ao governo ilegítimo de Michel Temer, e que certamente influenciou os resultados das eleições suplementares ao governo do estado.

Gustavo Passaneli